• Vera Cristina

#dia 25 - Se estivesse em outro planeta

Data estelar 3038 – Diário de bordo Enterprise IV – 48º dia Missão Esmeralda

Completamos nossa missão em Saturno. Tudo certo no assentamento terrestre na área 51. Conseguimos estabelecer a base, determinar os parâmetros favoráveis para a exploração sustentável dos minérios e a taxa de reposição dos suprimentos. Mais uma base da Terra poderá ser estabelecida fora do planeta.

Sinto-me satisfeito como um engenheiro espacial em sua 15ª missão fora do planeta original, mas pensar em voltar para casa e desfrutar do meu cantinho na companhia dos amigos me anima mais do que o salário extra que passo a receber.

Podemos arrumar nossas bagagens, checar a nave e voltarmos, aproveitando a próxima explosão da superfície do Sol, que nos fará voltar mais rápido, mesmo com velocidade de dobra graças ao acelerador estelar.

50º dia Missão Esmeralda – Estação Espacial Orbital (EEO)

Chegamos na EEO para a verificação rotineira de presença alienígena hostil na nave e recebo uma péssima notícia: não poderemos descer na Terra. Pela 184ª vez, há uma pandemia viral no planeta. Acesso as notícias e fico sabendo que um tipo de vírus tido como extinto reapareceu e está causando muitos problemas—é a 28ª onda de Covid-19, depois de quase 80 anos sem nenhum caso.

Vou ao ambulatório médico e encontro Dr. James e o Sr. Spock conversando a respeito. Eles estão muito bravos. Nossa polícia mundial, por um descuido, permitiu que uns “hippies” anti-vacinas viajassem de uma das ilhas da antiga Polinésia, onde ficaram afastados de outros humanos, e fossem de iate até Brisbane, onde pegaram um avião comercial para a Flórida. Com isso, o vírus, que estava latente neles, se manifestou e, agora, é novamente um grave problema para o resto do planeta. Fico sabendo pelo Dr. James que a vacina para esse vírus havia sido suprimida de nossa longa lista porque julgava-se que todos no planeta tivessem sido imunizados 80 anos atrás.

Pior ainda foi saber que a família contaminante veio originalmente do meu país, antes de fugir para Bora-Bora. Isso explicou os olhares de desgosto do Sr. Spock lançados em minha direção. Não adiantou explicar que, tradicionalmente, ninguém na minha família votou no patriarca daquela linhagem e que 17 era um número amaldiçoado para nós!

Agora é amargar a quarentena aqui em cima, olhando a linda esfera azul girando tranquila.

Santa Ema, que perrengue!


25.vii.2020 – à tarde, uma estória leve, para descontrair



Fotos: Nave espacial (fonte: Wikipedia); emas (fonte: Wikimedia)

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo