• Vera Cristina

A amalista

Não! Você não leu errado. O título deste texto, crônica, desabafo, alinhamento dos pensamentos, sei lá, é esse mesmo – a amalista. Não é analista.

E aconteceu agorinha. Mil pensamentos passando pela mente, várias coisas para fazer, de áreas diferentes da minha vida. E eu tentando achar um caminho, um jeito de me deslocar por entre eles, como um visitante em um brechó, sem derrubar ou quebrar nada.

O instinto fez com que eu buscasse um lápis e um bloquinho de papel para fazer uma lista de afazeres. E veio o insight — como amo fazer listas, como elas me ajudam a me organizar interna e externamente. Mesmo que não consiga cumprir tudo aquilo com que me comprometi: caminhar 3X na semana, fazer pão uma vez na semana, escrever, ligar para uma amiga, falar com os irmãos (são muitos, então pode ser um a cada semana!), pagar contas, mexer nos manuscritos acadêmicos não terminados. Tantos itens, tantas coisas, muitas listas. E veio à mente o neologismo — a amalista!

Sem fazer pesquisa sobre o quanto isso já foi assunto na internet, tema de livro, live, conversa casamigas, percebo que é quase uma meditação. Eu preciso parar os pensamentos, colocá-los em fila, ou melhor, filas, organizando-os por assunto e/ou relevância. Ao terminar, vem aquela sensação de que algo foi posto nos trilhos e a minha energia volta a fluir.

E se, ao longo dos dias, consigo ir “ticando” os itens da minha lista, é quase como enxergar o Nirvana (o objetivo espiritual, não o grupo musical) ali na esquina.

E você, é uma amalista ou prefere a analista?


10.fev.2022 – voltando ao batente da escrita



Figura: lista (foto by Glenn Carstens Peters, fonte Unsplash)




Figura: raposa tranquila (foto by Howling Red, fonte Unsplash)

8 visualizações0 comentário